30 de nov de 2011

Médico de Michael Jackson é condenado a quatro anos de cadeia


Dinheiro demais, muitas vezes, é a raiz de dramas e tragédias. É o caso do Michael Jackson, o rei do pop. Na terça-feira (29), saiu a sentença para o médico dele. A Justiça americana considerou o doutor Conrad Murray uma desonra para a profissão e um perigo para os pacientes.
“É o povo que quer a prisão”, disse o promotor antes de o juiz anunciar a pena. Antes também o advogado de Conrad Murray fez um apelo. “Em 56 anos, ele nunca cometeu um crime. Ele nunca desrespeitou a lei. Ele construiu uma família”, disse Ed Chernoff.
Não adiantou. Conrad Murray recebeu uma pena de quatro anos de prisão, a mais longa possível para um caso como esse. Ele já tinha sido condenado 23 dias atrás pelo homicídio involuntário de Michael Jackson, que morreu por overdose do anestésico propofol em junho de 2009.
Na terça-feira (29), ouviu em silêncio declarações sobre incompetência e falta de remorso pelos cuidados que deixou de dispensar a Michael Jackson. O juiz do Tribunal Superior de Los Angeles disse que Conrad Murray “criou uma rede de enganações e mentiras” e acrescentou: “Ele se envolveu em um ciclo de medicina terrível”.
Por causa de uma lei adotada pela Califórnia para reduzir a superlotação dos presídios no estado, Conrad Murray, por ser réu primário, não deverá cumprir a totalidade da pena.
A acusação quer ainda que o médico pague uma indenização de mais de US$ 100 milhões para os três filhos de Michael Jackson, mas é improvável que isso aconteça. Conrad Murray já acumulava dívidas quando concordou em deixar seus pacientes para se dedicar exclusivamente ao cantor por um salário mensal de US$ 150 mil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails