12 de jan de 2012

Aniversário de Carlos Villagrán, o Eterno Kiko



Carlos Villagrán nasceu no dia 12 de janeiro de 1944, na Colônia Nativista, em Queretaro, México. Veio de uma família muito pobre, segundo conta o próprio Villagrán: "Éramos tão pobres, que os pobres não se misturavam conosco, por sermos pobres".

Na casa onde Carlos Villagrán viveu com seus pais e seus irmãos (duas irmãs mais novas e um irmão mais velho) era tão humilde que não tinha nem colchão para dormir. Por atravessar tais dificuldades, teve que começar a trabalhar muito cedo, ainda na infância.

Aos 23 anos, começou a trabalhar com a fotografia profissional. Chegou a trabalhar em alguns dos jornais mais bem conceituados do México. Mas, seu sonho, mesmo, era ser apenas duas coisas: ou comediante ou jogador de futebol.

O convite para trabalhar junto a Chespirito e todo o elenco das séries, veio graças a Rubéns Aguirre (Prof. Girafales); este apresentou Carlos para Roberto Bolaños, que já o havia visto em cena em uma obra teatral.

Segundo conta Villagrán, o personagem Quico surgiu da seguinte forma: no final do anos 60, antes de surgir o seriado Chaves, Carlos Villagrán atuava em uma peça de teatro, onde ele já se caracterizava com roupa de marinheiro e com bochechas inchadas, igual ao Quico. Já a versão de Chespirito é a seguinte: Villagrán arrumou uma roupinha de marinheiro, só que Chespirito achou que ele de marinheiro, com o rosto que é visto nos episódios do Chapolin – sem bochechas infladas -, se parecia muito com um personagem de um programa infantil da tevê mexicana, o Chabelo, então, Chespirito inventou que ele seria um menino bochechudo.

Muitos têm a curiosidade de saber o que o intérprete do personagem mais tonto da vila usa, para ficar com aquelas bochechas infladas. Na verdade, ele não usa nada em suas bochechas: Carlos Villagrán é portador de uma doença rara nos músculos do seu rosto, assim Villagrán consegue deixar suas bochechas duras. E o resultado disso é que parece que ele está falando com as bochechas infladas.
Na época em que o seriado Chaves estava em seu auge no México, a EMI Capitol aproveitou o destaque que o personagem Quico tinha na série e chamou Villagrán para gravar um disco, onde se incluíam dez músicas. Isso ocorrera, precisamente, em 1976.

No final de 1978, Carlos Villagrán decidi sair do elenco do Chaves para estrear um programa solo na Venezuela, que se chamou "Frederico". Segundo Villagrán, ele deixou a série Chaves, pois o seu personagem estava ficando mais popular que o próprio Chaves, e isso incomodava Roberto Gómez Bolaños "Chespirito". Além do programa "Frederico", Carlos ainda fez outros programas com o personagem Kiko (com "K", pois os direitos sobre Quico com "Q" é de Roberto): "Niño de papel", "El Circo de Moisier Cachetón" e "Kiko Botones".

No dia 1° de abril de 2000, Carlos Villagrán participou da homenagem a Chespirito, promovida por Roberto Gómez Fernadez, filho de Chespirito. Essa homenagem se realizou num canal da TV Televisa, e foi marcado pelo reencontro de Roberto Gómez Bolaños "Chespirito" e Carlos Villagrán, que não se falavam há mais de 20 anos. As más línguas dizem que ele cobrou para participar da homenagem.

Atualmente, Carlos vive na Argentina, com sua esposa, com quem teve seis filhos: Paula, Sylvia, Samantha, Edson, Gustavo e Vanessa. Tem ainda um circo chamado "El Circo de Kiko", que, inclusive, já veio ao Brasil, em meados da década de 90.

Entrevista de Carlo Villagrán ao programa do Ratinho









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails